Translurpies – Coletivo Transfeminista de Lugo – Um convite ao contágio

Fonte: O gajeiro na gávea

Umha duvidosa supremacia, a de ser amo. Sobretudo para os homes pobres. E a maioria o som, coma nossoutras. Itziar Ziga

14956542_1225137927544911_3834555994418152731_nUmha companheira e amiga, que reside em Lugo, convidou-me recém a pulir o Manifesto que, lá por mediados do mês passado, figerom público na página que este coletivo possue numha rede social, algo ao que acedim a cumprimentar com gosto. Mas acho que sua luita contra a norma social binária, home-mulher, com a que me sinto muito identificado desde anos há, merece ser espalhada tamém por outras vias alheias ás plataformas do inimigo (redes que participam dessa diferenciaçom binária até extremos ridículos como o é censurar os mamilos femininos, mesmo em posse de lactância da sua criança, e permitir os mamilos masculinos!!). Assim que decidim que, desde esta minha humilde gávea, dar-lhe seu espaço as suas propostas, ideias e convocatórias (atividades que estám tendo lugar e das que dou conta ao remate deste seu Comunicado):

Vivemos nas margens dumha sociedade dividida em duas

TRANSLURPIES nasce pola necessidade de dar-lhe umha volta ao feminismo tradicional, e ir um passo mais lá. Considerámo-nos feministas porque rejeitamos os sujeitos políticos mulher-home. Convencides de que o social é político, irrompemos dinamitando a norma social binária em todas suas formas.

14708282_1205808866144484_705878881359766346_nO transfeminismo é umha estratégia política contra a violência, a repressom e a exclusom dos corpos dissidentes, ambíguos, mistos… e dos seus corportamentos sociais, desde umha perspectiva feminista.

Denunciamos e combatemos as agressons sexitas e LGTBfóbicas desta sociedade. Cremos na autodefesa e no empoderamento fronte a agressons sofridas por e dentro deste sistema capitalista e patriarcal.

Defendemos o direito a fazer quanto nos pete com nossos corpos. A polícia da moral nom nos vai deter. Por isso, apostamos pola eliminaçom da estigmatizaçom social que acompanha ás pessoas que eligem o trabalho sexual como umha forma mais de ganhar-se a vida dentro do capitalismo.

Defendemos a liberdade afectiva-sexual dado que consideramos que há outras formas de relacionar-se fora da hegemonia da parelha: anarquia relacional, poliamor…, fronte ao amor romântico e a heteronorma.

Somos parias, precáries, toles, putes, imigrantes … e estámo-nos organizando!

Por tudo isto, consideramos que nada temos que fazer com o feminismo institucional.

Convidámos-vos a contagiar-vos com nós e expandir este virus que se está gestando, destruindo as estruturas sociais que nos oprimem; deconstruindo e matando o nosso polícia e o nosso psiquiatra interior.

Participa nos grupos de estudo e nas assembleias deste coletivo que tenhem lugar no CSCA Vagalume (rua Nóreas nº 5, Lugo)

VIVA A DISSIDÊNCIA! ORGANÍZA-TE E LUITA!

…………………….
ATIVIDADES MÊS NOVEMBRO
15032661_1232867583438612_8943170365489151824_n– Joves 17 as 21:30′: Grupo de Estudos com dois textos de Itziar Ziga (“experta em putologia e perróloga”) que serám comentados
QUÉ COÑO ES UNA MUJER, a vueltas con lo mismo de siempre…
Y lo que te rondaré, morena…

– Todos os Mércores as 21:30′: Ciclo de projeçons “Trabalho Sexual em Primeira Pessoa”

 

Advertisements

Deixar unha resposta

introduce os teu datos ou preme nunha das iconas:

Logotipo de WordPress.com

Estás a comentar desde a túa conta de WordPress.com. Sair / Cambiar )

Twitter picture

Estás a comentar desde a túa conta de Twitter. Sair / Cambiar )

Facebook photo

Estás a comentar desde a túa conta de Facebook. Sair / Cambiar )

Google+ photo

Estás a comentar desde a túa conta de Google+. Sair / Cambiar )

Conectando a %s

%d bloggers like this: