[Euskal Herria] Morre Antonio Martin, miliciano anarquista do batalhão Sacco e Vanzetti da CNT

Por Iban Gorriti

espanha-os-ultimos-gudaris-de-36-morre-antonio-m-1

Entre outras frentes, lutou na contenda antifascista de Durangaldea e sofreu no campo de concentração de Miranda de Ebro

Todas aqueles bascos eram combatentes antifascistas contra o golpe de Estado de alguns militares espanhóis sublevados contra a legítima Segunda República. Todos aqueles bascos foram parte do Eusko Basco Gudarostea. No entanto, nem todos que perdemos nos últimos tempos, nos deixam despedidas com a mesma recordação. Alguns são mais esquecidos do que outros. De fato, inclusive as instituições em seu trabalho apoiam com o dinheiro de todos os bascos os seus projetos para as suas trincheiras hoje já não compartilhadas.

Dias atrás, especificamente em 20 de dezembro passado, faleceu aos 99 anos de idade um miliciano anarquista que mesmo enquanto ex-soldado daquele primeiro presidente basco, Juan José Aguirre, se foi em silêncio, sem ruído, sem mídia de adeus ou homenagens. É Antonio Martin Cardenas, com quem não chegou o momento de falar, de ficar. Não há como voltar atrás. Ele nasceu em Sestao, nascido na chamada Casa do Escrivão da cidade, em 1916, de acordo com dados garantidos para o futuro graças à Patxi Dominguez, do grupo memorialista Gogoan Sestao Elkartea, e que teve a gentileza de compartilhar com Mugalari.

Três irmãos milicianos • Antonio Martin Cardenas foi o terceiro de nove filhos. Com 18 anos, a última guerra civil eclodiu. Ele e outros três moradores de Sestao foram para Irun. Lá, depois de alguns dias sem armas ou qualquer organização voltaram a Sestao novamente. A família se opôs a sua marcha para a guerra já que dois de seus irmãos mais velhos já tinham sido incorporados na linha de frente. Em Txabarri, com alguns amigos encontraram um “escritório de recrutamento” e se juntaram ao batalhão anarquista Sacco e Vanzetti, a quarta unidade da CNT.

Segundo o testemunho que o falecido deixou gravado, lutou contra o fascismo em contendas em Villarreal (Legutio) Durangaldea, Gernika e Bilbao. “Em Santoña, junto com dois galegos tentou fugir, mas um soldado do Governo basco o deteve. Finalmente, eles conseguiram escapar em um barco a vapor. Mais tarde, um barco ou um navio destróier como os militares sublevados lhes deu alta. Eles jogaram suas armas ao mar e os levaram capturados para Santander”, disse Dominguez.

De Santander enviaram o prisioneiro anarquista e agora escravo de Franco para Calanda (Teruel), San Juan de Mozarrifar (Zaragoza) e Vidángoz (Nafarroa) trabalhando em estradas e/ou na explosão de minas e material de guerra. Após a guerra, Antonio foi devolvido a Bilbao. Lhe foi dado dois meses de liberdade e voltaram a chamá-lo. Ele foi enviado para um campo de concentração em Miranda de Ebro, novamente como um trabalhador escravo até que ele conseguiu a liberdade em 1945. Ele morreu no último dia 20 de dezembro.

Fonte: http://www.rojoynegro.info/articulo/memoria/los-%C3%BAltimos-gudaris-del-36-%C2%B7-fallece-antonio-mart%C3%ADn-miliciano-anarquista-del-batall

Tradução: Agência de Notícias Anarquistas-ANA

Advertisements

Unha resposta to “[Euskal Herria] Morre Antonio Martin, miliciano anarquista do batalhão Sacco e Vanzetti da CNT”

  1. E na webe da cnt nin o mencionan… que vergoña de sindicato…

Deixar unha resposta

introduce os teu datos ou preme nunha das iconas:

Logotipo de WordPress.com

Estás a comentar desde a túa conta de WordPress.com. Sair / Cambiar )

Twitter picture

Estás a comentar desde a túa conta de Twitter. Sair / Cambiar )

Facebook photo

Estás a comentar desde a túa conta de Facebook. Sair / Cambiar )

Google+ photo

Estás a comentar desde a túa conta de Google+. Sair / Cambiar )

Conectando a %s

%d bloggers like this: